Arquivo

Posts Tagged ‘pra jantar’

Nama Baru – A prova de que comida vegetariana pode ser muito boa

Depois de tanto tempo sem postar nada, tanto tempo que dá até vergonha, resolvi escrever sobre um de nossos restaurantes favoritos em São Paulo: o Nama Baru.

Este é um restaurante que acompanhamos há muitos anos, desde os tempos em que ficava na Avenida Pompéia. Agora, estão em um ambiente muito maior, mais bonito e acolhedor, na Barão de Bananal.

Para nós, o Nama é a prova de que comida vegetariana pode ser excelente (melhor inclusive que o Banana Verde, famosíssimo na Vila Madalena), mesmo para carnívoros como nós, fanáticos por uma carne super mal passada! Mas se você não passa uma refeição sem proteína animal, não se preocupe, pois há opções com frango, porco, carne, peixes e frutos do mar, todos em versões asiáticas, claro.

Das várias opções de entrada, gostamos muito da trouxinha de frango com coentro, milho e molho thai:

Trouxinhas de frango com coentro, milho e molho thai

Trouxinhas de frango com coentro, milho e molho thai

Dentre os pratos principais, nossos preferidos (90% das vezes escolhemos 2 dentre estes 3) são o curry vegetariano de cúrcuma, o curry de camarão ou o Hakka Noodle.

O curry vegetariano vem com cúrcuma, leite de côco com abóbora, shitake, batata doce, castanha d’água, soja torrada, semente de mostarda, e um delicioso arroz jasmim para acompanhar:

Curry Vegetariano de Cúrcuma

Curry Vegetariano de Cúrcuma

Já o curry de camarão vem com castanha d’água, tomatinho cereja, nirá (essas cebolinhas com uma espécie de flor na ponta), cenoura, pasta amarela e leite de côco, e mais uma vez o excelente arroz jarmim:

Curry de Camarão

Curry de Camarão

E o terceiro dentre os nossos favoritos é o Hakka Noodle: shitake, shimeji, eryngui (um tipo de cogumelo), macarrão de arroz, cebola roxa, moyashi (broto de feijão) e tofu:

Hakka Noodle

Hakka Noodle

Além de deliciosos, os pratos são muito bonitos, como vocês podem ver.

Vamos ficar devendo as sobremesas, mas podem ir sem medo! São poucas as opções, mas muito boas!

Outro destaque vai para o excelente serviço: rápido, atencioso mas sem incomodar, bastante profissional e agradável.

Os preços é claro que não são baixos. Uma refeição, com entrada, prato principal, bebidas, sobremesa e os 10% ficam em torno de R$ 75,00 por pessoa.

 

Nama Baru

http://www.namabaru.com.br/

Rua Barão do Bananal, 991 – Pompeia – São Paulo – SP

(11) 2548-7749

Roteiros gastronômicos em São Paulo

Hoje, resolvemos fazer um roteiro para um fim de semana prolongado, com uma seleção dos melhores restaurantes de São Paulo já blogados por aqui.

Pra facilitar ainda mais a sua vida, dividimos os restaurantes naquelas duas fases do mês: aquela em que estamos ricos no VR e todo dia queremos fazer uma pequena… Ou grande… Ou enorme… Estravagância!!! E aquele período em que VR e salário já acabaram faz tempo:

Para a fase “Tô rico no VR”, nossas dicas são:

Dia 1 – Almoço – Feijoada super tradicional e famosa: Star City ou Bolinha (nessa ordem de preferência)

Caso prefira opções um pouco mais em conta, mas não tão tradicionais, também sugerimos: Casa da Lana, Feijoada da Lana e Pompéia Bar.

Dia 1 – Jantar – Japonês para compensar o pé na jaca do almoço: Sushi Kiyo 

Dia 2 – Almoço – Bistrô Italiano: Arturito

Dia 2 – Jantar – Bistrô Francês: Le Vin ou Le Bouchon

Dia 3 – Almoço – Carnes: El Tranvia

Dia 3 – Jantar – Contemporâneo: Carlota

 

Agora, se você está naquela fase “Salário, chegue logo que eu quero lhe usar!”, nossas sugestões são:

Dia 1 – Almoço – Feijoada boa e barata: Feijoada da Dona Marisa

Dia 1 – Jantar – Japonês: Mugui ou Sukiyaki House

Dia 2 – Almoço: Feira da Kantuta ou Al Árabe

Dia 2 – Jantar: Jorge

Dia 3 – Almoço – Bar do Biu

Dia 3 – Jantar – Porco Rei

Não gostou dessas opções? Na categoria São Paulo tem mais de 60 posts para você personalizar o seu roteiro.

E rico ou não no VR, sempre vale uma passadinha no Doce de Laura para comer um pudim de claras ou no Stuzzi para um sorvetinho!

Zazá – um Bistrô Tropical em Ipanema

O lugar é uma graça! Super clima de Ipanema!

De fato, o Zazá tem cara do que se pode esperar de um bistrô tropical!

Só duas observações negativas:

– tem mesinhas agradabilíssimas numa varandinha, bem ao lado de onde povo fica esperando pra entrar e onde…FUMAM! Péssimo! A gente não é fumante, por isso, azedou quando sacou q não tinha nenhuma outra mesa pra se mudar. E o povo, folgado, nem ligava de mandar a fumaça pra dentro da varandinha!

– o serviço é bom, mas eles cobram 12% de serviço! Aí é uma questão de matemática simples: se o usual é 10% e o Zazá cobra 12%, significa que precisa oferecer um serviço 20% melhor! Só que não!

Agora vamos à comilança…que foi bem comedida, considerando que era janta e agora somos moderados (!):

Pedi a Inspiração veggie do dia (R$ 43,00), que varia de acordo com o dia, vejam só! Naquele sábado era talharim com vegetais picadinhos e molho de curry. Tava muito bom:

Inspiração veggie do dia - ou seja, prato supresa!

Inspiração veggie do dia – ou seja, prato supresa!

O Cabeça pediu Curry de frango orgânico com legumes, cogumelos, capim limão, gengibre e banana ao leite de coco (R$ 49,00). O arroz era o delicioso e perfumado basmati e vinha com damasco e castanhas de caju. Tava bem gostoso:

Curry de frango orgânico

Curry de frango orgânico

Pra beber, de diferente, pedi o Soft Zazá (R$ 11,00):

Soft Zazá - lichia, manjericão e água tônica

Soft Zazá – lichia, manjericão e água tônica

De sobremesa, pedimos pelo nome: Devil´s cake!

Devil´s Cake

Devil´s Cake

Só que não empolgou muito não! É tipo um brownie bem rasinho, acompanhado de sorbet de limão siciliano que tava uma delícia.

Zazá Bistrô Tropical
Rua Joana Angélica, 40
Ipanema – Rio de Janeiro
Tel: (21) 2247-9101

O melhor Steak Tartare – Tartar & Co de Erick Jacquin

A gente ama steak tartare, por isso, demorô pra irmos ao Tartar & Co do chef Erick Jacquin.

O ambiente é uma graça, bem aconchegante. E o atendimento foi muito bom.  Massss… (detesto quando tem um “mas”!), o steak tartare mesmo nem é lá essas coisas…

Pedimos uma entradinha, mas (!), mortos de fome que estávamos, esquecemos de tirar uma foto! He, he…

Mas o que interessa mesmo são os tartares…vejam!

Este é o tartar de atum com saladinha mesclum e batatinhas. Tava bom, mas…plagiando o moço do cabelo de gel: “ainda não é meu steak tartar!!”.

Tartar de atum

Tartar de atum

Este é Tartar Destaque Paris São Paulo: filé mignon cortadinho na ponta da faca. Olha, tava gostoso sim, mas sabe quando é só bom?!

Tartar destaque

Tartar destaque

Aí veio a parte péssima da jantinha! O creme bruleé! Gente, tava gelado no meio! Tipo assim, “tirei da geladeira agora e passei no maçarico rapidinho”. Nada pior que acabar um jantar com uma sobremesa ruim…

Creme brulê

Creme brulê

Espero que tenham melhor sorte ao ir no Tartar & Co!

Tartar & Co
Av. Pedroso de Morais, 1003
Pinheiros – São Paulo
Tel: (11) 3031-1020

Bistrô Russo em São Paulo? É o Camarada Bistrô!!

Eu A-DO-RO pierogie / pierogui! Aí, quando vi no Grubster (app de descontos em restaurantes, conhece?) um tal de Camarada Bistrô, restaurante russo, super me interessei!

E foi então que aprendi mais uma lição pra vida toda: pierogui é chamado de varenike na Rússia!

Com o prato principal já na ponta da língua, começamos com outras delícias:

De entrada: Arenque em Salmoura temperado com cebola roxa e azeite acompanhado de pão preto russo. Delícia, mas salgado além do necessário.

Arenque em Salmoura

Arenque em Salmoura

 

Aí a grande estrela: Varenike! Uma massinha recheada de batata e queijo com molho de cebolas salteadas. Pra comer com este creme azedo aí do meio da foto.

Varenike

Varenike

 

Estrogonofe russo, cujo segredo está revelado no cardápio: cebolas e páprica doce:

Estrogonofe Russo

Estrogonofe Russo

 

Para a sobremesa, escolhemos pelo nome: Gogol Mogol! Olha que simpático!

Gogol Mogol

Gogol Mogol

 

É tipo um zabaione com vodka (claaaro) e baunilha. Só que tinha gostinho de ovo, sabe?!

Limonada Russa

Limonada Russa

Pra beber, pedi essa limonada russa! Surpreendente! É uma limonada mesmo, só que com xarope de estragão! U-hú!

Os pratos custam um pouco menos que R$40, a sobremesa R$20 e a limonada R$10. Não é um lugar barato, mas vale super!

 

Camarada Bistrô
Rua Dr. Melo Alves, 74
Jardins – São Paulo
Tel: (11) 2579 3263

Jiquitaia – o restaurante da batata magia!

Eu já ouvi falar tanto e tão bem do Jiquitaia que tava mesmo muito curiosa!

E, sabem o quê? O restaurante é bom mesmo! Curti!

E o preço é camarada! Tem aquela coisa meio gringa (e bacana) de fazer combinado de preço: entrada + principal + sobremesa por R$55 (set/13).

De entrada, pedimos uma saladinha e linguiças artesanais que estavam ótemas! A saladinha de batatas tava show de bola também!

Jiquitaia - salada de folhas

Jiquitaia – salada de folhas

Jiquitaia - linguiças artesanais com salada de batata

Jiquitaia – linguiças artesanais com salada de batata

Esse vermelhinho é uma salsa picante, tipo peruana, apimentada na medida.

De principal, o Cabeça pediu o arroz de pato por causa da folha de jambu, que ele a-do-ra!

Jiquitaia - arroz de pato com tucupi e magret

Jiquitaia – arroz de pato com tucupi e magret

Eu pedi a costelinha de porco… dá até água na boca de lembrar! Agora, o destaque mesmo é essa batatinha avermelhada:

Jiquitaia - Costelinha de porco com barbecue de tamarindo

Jiquitaia – Costelinha de porco com barbecue de tamarindo

JESUS! É a batata dos deuses! Crocantíssima por fora e muito macia por dentro! Esse vermelho todo é um tempero que nem sei dizer o que é! Ou melhor, sei dizer sim: é maravilhoso!

Jiquitaia - Ô, batatinha!

Jiquitaia – Ô, batatinha!

As sobremesas foram os pontos fracos do almoço. Não que estivessem ruins, só que não estava ótemos como os pratos!

Jiquitaia - Goiabada com queijo cremoso

Jiquitaia – Goiabada com queijo cremoso

Jiquitaia - doce de figo com creme

Jiquitaia – doce de figo com creme

E as bebideenhas:

Jiquitaia - chá da casa e suco de uva

Jiquitaia – chá da casa e suco de uva

Tudo isso deu: R$132,44.

Ah, curiosidade: Jiquitaia é a mistura de uma pimenta vermelha seca em pó com sal. E eles tem isso na mesa:

Jiquitaia

Jiquitaia à esquerda

Restaurante Jiquitaia
Rua Antonio Carlos, 268 (bem pertinho da Augusta)
Tel: (11) 3262-2366
São Paulo

Comendo na Cidade do México – um bistrot que é o Máximo

(ops! Achei um post antigo esquecido na pasta de rascunhos!)

Quando a gente comentou no B&B Red Tree (hospedagem maravilhosa, super vale!) que íamos jantar no restaurante Izote, o staff chilango se olhou e soltou um “seguros”?

Aí, logo nos explicaram: se era comida boa de verdade que estávamos procurando, deveríamos ir ao bistrot Máximo!

Só que já estava muito em cima da hora pra trocar a reserva, e naquela noite acabamos no péssimo Izote.

No almoço seguinte, apesar da fila de espera, fomos recompensados com uma ótima refeição.

Diferente da maioria dos restaurantes de lá, este não tinha menu em inglês. Mas, rapidamente a hostess surgiu pra explicar a carta inteirinha pra gente, na maior paciência. (esse vocabulário de cardápio é muito difícil pra mim em qualquer idioma!)

Pra beber, achei bem bacana a idéia de sidra de pera com maçã. Mas tava meio sem-gracinha:

Máximo - Sidra artesanal de pera y manzana

Máximo – Sidra artesanal de pera y manzana

Máximo - couvert: pãozinho e patê de azeitona

Máximo – couvert: pãozinho e patê de azeitona

Máximo - couvert: pãozinho e patê de azeitona

Máximo – couvert: pãozinho e patê de azeitona

Na sequência chegaram os amuse-bouches…ou seja, agradinhos do chef pra introduzir aos clientes suas gostosuras. E o plural é porque chegou o 1º, o 2º e um 3º agradinho. Como nosso prato não ficava pronto nunca, mandaram pra gente 3 ‘distrações’ iguais! Acabamos rejeitando, mas valeu a inteção:

Máximo - Amuse-bouche: tartar de salmão com pimenta, abacate e rabanetes

Máximo – Amuse-bouche: tartar de salmão com pimenta, abacate e rabanetes

Eu nunca rejeitaria comida sem um bom motivo. Vejam só a nossa boa razão:

Máximo - Atún aleta amarilla, serrano y aguacate

Máximo – Atun aleta amarilla, serrano y aguacate

Sim, a entrada que pedimos era super parecida com a amuse-bouche do chef. Mas como saber, né?! A grande diferença foi a apresentação do atum, que na entradinha veio em pedaços.  Ah, serrano é essa pimentinha verde que deu um sabor muito bom a tudo.

Aí vieram os pratos:

Máximo - pechuga dde pato, zarzamora y tamal de arroz

Máximo – pechuga de pato, zarzamora y tamal de arroz

Ó, o peito de pato tava mais ou menos, o molho de amoras e outra frutinha tava muito bom. E o tamal tava ótimo! (tamal é um tipo de pamonha, neste caso, fizeram de arroz)

Máximo - Mollejas de Ternera, Morillas, Tomillo

Gente, eu pedi esse prato e lembro de ter achado uma delícia, mas vergonhosamente não me lembro o que era, tampouco anotei a descrição. Pelo que dá pra ver, é alguma carne, com molho de cogumelos. Essa parte amarela, me lembro que parecia um curau salgadinho e bem leve.

A gente comeu tanto que nem conseguiu pedir a sobremesa! 😦

Vale a fila de entrada!

Maximo Bistrot
Calle Tonalá 133, Roma Norte, Cuauhtémoc
Mexico City
Mexico