Arquivo

Posts Tagged ‘Liberdade’

Sukiyaki House – pra comer um ótimo PF japonês na Liberdade

25/07/2012 1 comentário

Tem dias que a única coisa que me faz feliz é uma comidinha  bem gostosinha com cara de feita pela batchan (avó em japonês)!

Bem, eu tenho muitos dias assim! E aí, eu apelo, já que não tenho mais batchan: corro pro Food Center na Rua da Glória, 111, na Liberdade. É lá que fica o Mugui (que já falamos aqui) e também o Sukiyaki House.

Agora é a vez de falar da casa do Sukiyaki, que é um prato típico de inverno, feito de muitos legumes e carne e que se prepara num fogareiro na própria mesa. Eu adoro também, mas o que me faz sair de casa pra ir lá é o Teishoku da Casa, ou seja, o PF japa!

A gente define de prato feito porque tem o básico pra fazer qualquer pessoa muito feliz e satisfeita:

-Tem gohan (o arroz japonês grudadinho, cozido apenas com água e sem tempero algum. Pode parecer sem graça, mas japa que é japa não vive sem e come com tudo: com pastel, churrasco, lasanha, tudo mesmo!);

– Tem missoshiro (a sopinha de massa de soja com tofu e cebolinha. Em versões incrementadas pode ganhar vôngole, tirinhas de ovo frito e/ ou macarrão)

– Tem um peixe grelhado (geralmente anchova que eu amooo!)

– Tem tempurá (camarão, couve-flor, vagem, cenoura, batata-doce, cebola, tudo empanado separadamente e frito)

– Tem croquetes de batata com carne: o melhor croquete do universo! Se você odeia comida japonesa, vá só pra comer o croquete. A massa é levinha, só de batata, com carne na medida. É do tipo fritura bem feita, bem sequinha. Maravilhoso com uma gotinha de shoyu!

– Tem saladinha de moyashi com ovo de codorna: moyashi é broto de feijão. Ô, dilícia!

– E tem sunomono: conservinha de pepino com gergelim preto!

(e se você acha que comida japonesa precisa ter sashimi sempre, peça o Teihoku Especial, que vem com fatias saborosíssimas de salmão – mas aí precisa chegar cedo pq acaba logo!)

Bem, pra começar a conversa, a gente sempre pede o hiyayako: tofu com shoga e neguí. Ou seja, queijo de soja (no caso do Sukiyaki House é do tipo okinawa, que tem uma textura mais firme e um sabor não tão suave), gengibre raladinho e cebolinha cortada bem fininha. E depois vem o teishoku…

Vejam só a sequência maravilhosa:

tchawans, ohashis, e o tsukemon de entradinha

tchawans, ohashis, e o tsukemon de entradinha

Hiyayako - tofu, gengibre e cebolinha

Hiyayako – tofu, gengibre e cebolinha

teishoku de anchova

teishoku da casa

Na parte de cima da foto: o pote maior tem arroz, o pote menor tem um molhinho do tempura ao qual se acrescenta gengibre, cebolinha e nabo ralado e ao lado tem a sopinha missoshiro.

IMPERDÍVEL!

Ah, o preço? A gente costuma dividir isso tudo por dois e pedir dois refris. Dá cerca de 30 reais por pessoa! E o atendimento? É muito simpático, com jeitão de família. Os donos são muito gente boa e estão sempre por lá.

Um detalhe importante: se você é do tipo que acorda tardão aos sábados, o Sukiyaki House é o lugar ideal pra comer na Liberdade, pois na região, é um dos poucos que serve almoço até as 16h.

Sukiyaki House
R. da Glória, 111 – Liberdade
Tel: 11 3106 4067

Gostosuras e travessuras – doces pra comprar na Liberdade

Dando continuidade à série de posts Gostosuras e Travessuras, hoje temos indicação de dois doces bacaninhas pra comprar na Liberdade ou vendinhas de produtos japoneses:

Marshmallow com recheio de pudim:

marshmallow sabor pudim!

marshmallow sabor pudim!

Cookies levinhos – amendoim, leite ou gergelim. Se der sorte, você encontra do pacote sortido. A Kandy é uma marca paulista, de Diadema mais precisamente, mas é daqueles produtos com cara de quitanda de japonês dos anos 80! Apesar de não ser nada ultra-nipônico, só vejo vender na Liba…

Cookies da marca Kandy

Cookies da marca Kandy

Os dois custam perto dos R$6 cada e dá pra achar em qualquer mercadinho da Liberdade. São viciantes …CUIDADO! He, he…

Categorias:doces, Japoneses Etiquetas:

Um Portal da Coréia na Liberdade

AMO comida coreana!

AMO, especialmente, o kimchi, que é uma conserva bem apimentada de acelga. Essa conservinha é presença obrigatória em todas as refeições e combina com todos os pratos do cardápio coreano!

Por isso mesmo, o  restaurante Portal da Coréia, que fica no bairro da Liberdade, já tava no nosso radar havia um tempo. Juntamos nossa fome com a vontade de comer de um amigo e fomos juntos no caminho do kimchi!

O Portal da Coréia é beeem coreano mesmo, nada de abrasileiramentos. Exceto pelo cardápio, que tem tradução para português.

Pra começar, dêem uma olhada no esquema das mesas, assim fica mais fácil de entender a execução dos pratos:

Mesas equipadas para a comida coreana

Mesas equipadas para a comida coreana

Esse cano douradão que desce do teto é um tipo de coifa, ou aspirador de fumaça mesmo, estrategicamente localizado na direção de uma grelha embutida na mesa.

Ela faz toda a diferença na vida do clientes, uma vez que muitos dos pratos coreanos são baseados no churrasquinho de alguma coisa. E, essa coisa evita que a gente saia de lá completamente defumado. (mas mesmo assim, você fica impregnado)

Ah, só pra contextualizar, restaurantes coreanos SEMPRE oferecem:
– um monte de potinhos cheios de conservinhas e saladinhas com direito a repeteco grátis
– kimchi e pimentas das boas (pra coreano-macho nenhum pôr defeito)
– gohan à vontade (não deve ser regra, mas sempre dei sorte de ir em restaurantes com refil de arroz tipo japonês à vontade)
– fruta com cortes simpáticos como sobremesa

Agora vamos às evidências:

saladinhas e conservinhas + O KIMCHI

saladinhas e conservinhas + O KIMCHI

Aí tem, da direita para a esquerda: legumes refogadinhos, abobrinha em conserva, no centro o KIMCHI (pote maior – o vermelho é de pimenta!), logo abaixo tem outra conservinha apimentada, mas com cenoura, no canto direito superior temos um tofu adocicado (queijo de soja) e abaixo tem a saladinha de moyashi (broto de bambu).

Bulgogui - churras coreano

Bulgogui – churras coreano

Olha que carne mais bonita! Sabem o que é? A resposta tá na ponta da LÍNGUA! Sim, o trocadilho foi bem ruim, mas a carne de língua é  muito boa! Desfaçam a careta e não deixem de experimentar! (o tempero vem num potinho separado e pode ser usado antes e/ou depois da carne ser grelhada. Trata-se de óleo de gergelim e pimenta)

Bulgogui - churras coreano

Bulgogui – churras coreano

Esta carninha também muito apetitosa é a pancetta: um nome bonito para barriga de porco. Essa manteiga pode ser usada antes e/ou depois também. A pancetta é super gordurosa, mas depois que vai na gelha fica um pouco seca, então a manteiga dá um quê todo especial.

Ah, esqueci de dizer: bulgogui nada mais é que o nome para churrasco coreano “de mesa”. Trata-se do modo de preparação da carne, que pode variar ao gosto do freguês, tipo um contra-filé, um peixe, uma linguiça…até uma língua! Geralmente, a  carne vem congelada e fatiada beeem fininha, totalmente sem tempero. Aí, é só grelhar, passar no temperinho e mandar pra dentro!

Tin mandjú

Tin mandjú

Pedimos também uma porção de tin mandjú, um pastelzinho cozido no vapor, 1/2 recheado de carne de porco com legumes e 1/2 recheado de camarão.

Neste almoço guloso total, também rolou:

Dolso Bibimbap

Dolso Bibimbap

Gente, quando vocês virem a palavra bibimbap, lembrem de mexidão!

Explico com detalhes:

Dolso Bibimbap - antes de virar um mexidão

Dolso Bibimbap – antes de virar um mexidão

Tudo começa assim, bonitinho e separado. Mas, tradicionalmente, o prato é pra ser comido após uma breve misturada geral dos itens: gema de ovo, arroz, moyashi, cogumelo shimeji, carne de vaca, legumes, o caldinho, o molhinho de tomate (que não saiu na foto do close e que não leva pimenta) e óleo de gergelim a gosto. Isso é a parte “bibimbap”. A parte “dolso” é esse pote de pedra fumegante…reparem na fumacinha. Depois de tudo misturado, o pote de pedra acaba de cozinhar os ingredientes e vira um risotão, digamos.

Ó como fica:

Bibimbap

Bibimbap

Ah, dá um look na execução do churras:

Bulgogui - o churras de mesa

Bulgogui – o churras de mesa

E, pra terminar…fruta de sobremesa!

melancia em cubinhos

melancia em cubinhos

O atendimento é fraquinho, mas nada absurdo. O preço? Essa sequência que pedimos saiu cerca de R$50/ 60 por pessoa.

Este ainda não é o nosso coreano favorito na Liberdade, mas super vale!

Agora vou gastar a única palavra em coreano que aprendi na vida: kamsahamnida.

Portal da Coréia
Rua da Glória, 724 – Liberdade
tel: (011) 3271-0924