Arquivo

Archive for the ‘Contemporâneos’ Category

Nama Baru – A prova de que comida vegetariana pode ser muito boa

Depois de tanto tempo sem postar nada, tanto tempo que dá até vergonha, resolvi escrever sobre um de nossos restaurantes favoritos em São Paulo: o Nama Baru.

Este é um restaurante que acompanhamos há muitos anos, desde os tempos em que ficava na Avenida Pompéia. Agora, estão em um ambiente muito maior, mais bonito e acolhedor, na Barão de Bananal.

Para nós, o Nama é a prova de que comida vegetariana pode ser excelente (melhor inclusive que o Banana Verde, famosíssimo na Vila Madalena), mesmo para carnívoros como nós, fanáticos por uma carne super mal passada! Mas se você não passa uma refeição sem proteína animal, não se preocupe, pois há opções com frango, porco, carne, peixes e frutos do mar, todos em versões asiáticas, claro.

Das várias opções de entrada, gostamos muito da trouxinha de frango com coentro, milho e molho thai:

Trouxinhas de frango com coentro, milho e molho thai

Trouxinhas de frango com coentro, milho e molho thai

Dentre os pratos principais, nossos preferidos (90% das vezes escolhemos 2 dentre estes 3) são o curry vegetariano de cúrcuma, o curry de camarão ou o Hakka Noodle.

O curry vegetariano vem com cúrcuma, leite de côco com abóbora, shitake, batata doce, castanha d’água, soja torrada, semente de mostarda, e um delicioso arroz jasmim para acompanhar:

Curry Vegetariano de Cúrcuma

Curry Vegetariano de Cúrcuma

Já o curry de camarão vem com castanha d’água, tomatinho cereja, nirá (essas cebolinhas com uma espécie de flor na ponta), cenoura, pasta amarela e leite de côco, e mais uma vez o excelente arroz jarmim:

Curry de Camarão

Curry de Camarão

E o terceiro dentre os nossos favoritos é o Hakka Noodle: shitake, shimeji, eryngui (um tipo de cogumelo), macarrão de arroz, cebola roxa, moyashi (broto de feijão) e tofu:

Hakka Noodle

Hakka Noodle

Além de deliciosos, os pratos são muito bonitos, como vocês podem ver.

Vamos ficar devendo as sobremesas, mas podem ir sem medo! São poucas as opções, mas muito boas!

Outro destaque vai para o excelente serviço: rápido, atencioso mas sem incomodar, bastante profissional e agradável.

Os preços é claro que não são baixos. Uma refeição, com entrada, prato principal, bebidas, sobremesa e os 10% ficam em torno de R$ 75,00 por pessoa.

 

Nama Baru

http://www.namabaru.com.br/

Rua Barão do Bananal, 991 – Pompeia – São Paulo – SP

(11) 2548-7749

Roteiros gastronômicos em São Paulo

Hoje, resolvemos fazer um roteiro para um fim de semana prolongado, com uma seleção dos melhores restaurantes de São Paulo já blogados por aqui.

Pra facilitar ainda mais a sua vida, dividimos os restaurantes naquelas duas fases do mês: aquela em que estamos ricos no VR e todo dia queremos fazer uma pequena… Ou grande… Ou enorme… Estravagância!!! E aquele período em que VR e salário já acabaram faz tempo:

Para a fase “Tô rico no VR”, nossas dicas são:

Dia 1 – Almoço – Feijoada super tradicional e famosa: Star City ou Bolinha (nessa ordem de preferência)

Caso prefira opções um pouco mais em conta, mas não tão tradicionais, também sugerimos: Casa da Lana, Feijoada da Lana e Pompéia Bar.

Dia 1 – Jantar – Japonês para compensar o pé na jaca do almoço: Sushi Kiyo 

Dia 2 – Almoço – Bistrô Italiano: Arturito

Dia 2 – Jantar – Bistrô Francês: Le Vin ou Le Bouchon

Dia 3 – Almoço – Carnes: El Tranvia

Dia 3 – Jantar – Contemporâneo: Carlota

 

Agora, se você está naquela fase “Salário, chegue logo que eu quero lhe usar!”, nossas sugestões são:

Dia 1 – Almoço – Feijoada boa e barata: Feijoada da Dona Marisa

Dia 1 – Jantar – Japonês: Mugui ou Sukiyaki House

Dia 2 – Almoço: Feira da Kantuta ou Al Árabe

Dia 2 – Jantar: Jorge

Dia 3 – Almoço – Bar do Biu

Dia 3 – Jantar – Porco Rei

Não gostou dessas opções? Na categoria São Paulo tem mais de 60 posts para você personalizar o seu roteiro.

E rico ou não no VR, sempre vale uma passadinha no Doce de Laura para comer um pudim de claras ou no Stuzzi para um sorvetinho!

Zazá – um Bistrô Tropical em Ipanema

O lugar é uma graça! Super clima de Ipanema!

De fato, o Zazá tem cara do que se pode esperar de um bistrô tropical!

Só duas observações negativas:

– tem mesinhas agradabilíssimas numa varandinha, bem ao lado de onde povo fica esperando pra entrar e onde…FUMAM! Péssimo! A gente não é fumante, por isso, azedou quando sacou q não tinha nenhuma outra mesa pra se mudar. E o povo, folgado, nem ligava de mandar a fumaça pra dentro da varandinha!

– o serviço é bom, mas eles cobram 12% de serviço! Aí é uma questão de matemática simples: se o usual é 10% e o Zazá cobra 12%, significa que precisa oferecer um serviço 20% melhor! Só que não!

Agora vamos à comilança…que foi bem comedida, considerando que era janta e agora somos moderados (!):

Pedi a Inspiração veggie do dia (R$ 43,00), que varia de acordo com o dia, vejam só! Naquele sábado era talharim com vegetais picadinhos e molho de curry. Tava muito bom:

Inspiração veggie do dia - ou seja, prato supresa!

Inspiração veggie do dia – ou seja, prato supresa!

O Cabeça pediu Curry de frango orgânico com legumes, cogumelos, capim limão, gengibre e banana ao leite de coco (R$ 49,00). O arroz era o delicioso e perfumado basmati e vinha com damasco e castanhas de caju. Tava bem gostoso:

Curry de frango orgânico

Curry de frango orgânico

Pra beber, de diferente, pedi o Soft Zazá (R$ 11,00):

Soft Zazá - lichia, manjericão e água tônica

Soft Zazá – lichia, manjericão e água tônica

De sobremesa, pedimos pelo nome: Devil´s cake!

Devil´s Cake

Devil´s Cake

Só que não empolgou muito não! É tipo um brownie bem rasinho, acompanhado de sorbet de limão siciliano que tava uma delícia.

Zazá Bistrô Tropical
Rua Joana Angélica, 40
Ipanema – Rio de Janeiro
Tel: (21) 2247-9101

O melhor Steak Tartare – Tartar & Co de Erick Jacquin

A gente ama steak tartare, por isso, demorô pra irmos ao Tartar & Co do chef Erick Jacquin.

O ambiente é uma graça, bem aconchegante. E o atendimento foi muito bom.  Massss… (detesto quando tem um “mas”!), o steak tartare mesmo nem é lá essas coisas…

Pedimos uma entradinha, mas (!), mortos de fome que estávamos, esquecemos de tirar uma foto! He, he…

Mas o que interessa mesmo são os tartares…vejam!

Este é o tartar de atum com saladinha mesclum e batatinhas. Tava bom, mas…plagiando o moço do cabelo de gel: “ainda não é meu steak tartar!!”.

Tartar de atum

Tartar de atum

Este é Tartar Destaque Paris São Paulo: filé mignon cortadinho na ponta da faca. Olha, tava gostoso sim, mas sabe quando é só bom?!

Tartar destaque

Tartar destaque

Aí veio a parte péssima da jantinha! O creme bruleé! Gente, tava gelado no meio! Tipo assim, “tirei da geladeira agora e passei no maçarico rapidinho”. Nada pior que acabar um jantar com uma sobremesa ruim…

Creme brulê

Creme brulê

Espero que tenham melhor sorte ao ir no Tartar & Co!

Tartar & Co
Av. Pedroso de Morais, 1003
Pinheiros – São Paulo
Tel: (11) 3031-1020

O melhor Steak Tartare – Le Vin

Eu a-do-ro o steak tartare do Le Vin!

Inclusive, foi lá que eu comi tartare pela primeira vez! Ou seja, já comecei com o pé direito e isso colocou minha referência de gostosura lá em cima! Jeje…

Eu sou entusiasta de steak tartare  e acabou que empreendi uma busca pelo steak perfeito (sim, temos muitas neuroses ligadas à comida!!! rsss).

E aqui no blog já falamos de alguns muito bons, como o do Le Bouchon e do Lola Bistrot.

Faltava colocar umas fotos do Le Vin, então aí vai!

Só pra contar…a gente não come couvert! Por quê? Ah, porque geralmente a gente acha as opções muito sem graça ou revoltantemente caras ou ambas! Sem contar que já percebemos que não cabe muita coisa nos nossos reservatórios estomacais e o couvert acaba “atrapalhando”…

Massssss, esse couvertizinho do Le Vin é do tipo simples e bom e tem um preço bem justo:

Couvert - pão-dilícia, patê de foie gras e manteiga

Couvert – pão-dilícia, patê de foie gras fígado de galinha e manteiga

Agora o steak:

Steak Tartare + batatas fritas

Steak Tartare + batatas fritas

Steak Tartare + batatas fritas

Steak Tartare + batatas fritas

Eu SEMPRE peço a mesma coisa, então, sorte minha que o Cabeça sempre pede alguma outra coisa pra eu poder garfar e experimentar coisas diferentes:

Magret de canard e gratin dauphinois ou seja, peito de pato com batata gratinada

Magret de canard e gratin dauphinois ou seja, peito de pato com batata gratinada

Magret de canard e gratin dauphinois ou seja, peito de pato com batata gratinada

Magret de canard e gratin dauphinois ou seja, peito de pato com batata gratinada

Nesse dia, coube até a sobremesa:

Pain perdu com sorvete de creme

Pain perdu com sorvete de creme

Olha, o pain perdu do Le Vin é bom, mas o do Lola Bistrô é mais mió di bom.

Ahhh, o restô tem uma parte reservada apenas para servir doces e café. O que tem aqui não tem no cardápio do restô e vice-versa. Então, vale absurdamente fazer visitas duplas…e gordinhas.

O interessante do Le vin é que ele tem 6 filiais, só olhar os endereços no site.

 

Le Vin
Alameda Tietê, 184
Jardins
tel: (11) 3081-3924

 

Comendo em Montevidéu – La Perdiz e Montecristo

05/08/2013 1 comentário

Vamos começar pelo restaurante La Perdiz no bairro de Pocitos.

A gente chegou sem reserva, achando que em Montevidéu essas coisas nem eram necessárias…ledo engano! Tava lotadaço e foi ficando ainda pior conforme  a noite avançou. Mesmo assim, conseguimos uma mesa em pouco tempo e o atendimento foi muito bom.

E lá, finalmente, conseguimos provar a cerveza uruguaia Patrícia. Nem é nada demais, contudo, porém, todavia, é interessante.

Cerveza Patricia

Cerveza Patricia

Fizemos a melhor escolha do dia quando pedimos esta batata doce com queijo roquefort de entrada. Ela é grelhadinha na churrasqueira, super saborosa:

Boniato al Roquefort ou seja, batata doce com queijo roquefort feito na churrasqueira

Boniato al Roquefort, ou seja, batata doce com queijo roquefort feito na churrasqueira

 

De principais, pedimos um prato com cara de mais e outro com sabor de beeem menos:

Brochette de Lomo - mingnon com bacon, pimentão e cebola

Brochette de Lomo – mingnon com bacon, pimentão e cebola

Abadejo a la Bizkhaina - molho com pimentão, alho e tomates

Abadejo a la Bizkhaina – molho com pimentão, alho e tomates

A brochette tava boa. Só que um pouco mais mal passada do que eu queria. Já o abadejo, “Jesus!”, tava Horrível com H maiúsculo!

Cada prato saiu cerca de R$35 (junho/13). Pra quem mora em São Paulo, parece muito barato, né?! Ainda mais considerando que o La Pediz é point! É hit local!

Na noite seguinte fomos ao restaurante Montecristo, também em Pocitos. Outro restaurante que chegamos sem reserva e quase nos demos muito mal! Aprendam com nossos erros! kkk!

Esse restaurante é interessante porque é também um castelo e um museu! O dono foi alquimista e membro da maçonaria, então, tudo no Montecristo tem uma boa história pra contar. E, enquanto esperávamos, um garçom nos levou por um tour bem bacana!

Pra compensar o astral super, as comidas deixam a desejar:

Entrecot con mix de verdes y guarnición rosty

Entrecot con mix de verdes y papa rosty – o prato ‘de menos’

 

Salmón grillé con timbal de arroz oriental

Salmón grillé con timbal de arroz oriental – o prato ‘de mais’

 

De sobremesa, pedimos um crepe de doce de leite que tava bem bonito, mas ordinááááário:

Delícia Montecristo: panqueca de doce de leite, chantilly e morangos frescos

Delícia Montecristo: panqueca de doce de leite, chantilly e morangos frescos

O Montecristo é pra turista ver! Por isso, o preço também é. Tudo isso mais as bebidas e o serviço saiu cerca de 200 reais (junho/13).

 

Restaurante La Perdiz
Calle Guipúzcoa, 350 (é a rua de baixo do shopping Punta Carretas)
Pocitos
Montevideo

 

Restaurante Montecristo no Castillo Pittamiglio
Calle Francisco Vidal, 636 x Calle 21 de Setiembre
Pocitos
Montevideo

 

Comendo na Cidade do México – Izote

17/01/2013 1 comentário

Do fim para o começo: na saída, pedimos ao garçom a gentileza de ligar para um táxi, já que lá não se recomenda pegar qualquer um na rua. Normal! Só que ao invés de chamar um táxi comum que é que mais tem na cidade, ele pediu um que roda com preço fixo, que é bem mais caro porque embute na tarifa uma comissão para quem o chamou!!!

PÉÉÉSSSIMO que um restaurante que se diga tão top tenha profissionais que ajam dessa forma.

Agora do começo….

Fiz uma pesquisinha rápida e vi o restaurante Izote da chef Patricia Quintana figurar em todas as listas de restaurantes bem recomendados da Cidade do México.

Aí lá fomos nós com nossos estômagos curiosos e famintos por comida típica mexicana!

O lugar é como dizem, bem simples e pequeno, na rua mais badalada da cidade. No cardápio, preços dignos de restaurantes caros aqui de São Paulo.

Chegamos às 9, e mesmo tendo pouquíssimos lugares, o Izote estava vazio. Era um sábado.

Rapidamente nós entenderíamos porque não tinha ninguém…

O atendimento é tééérrível e a Patrícia Quintana, que preparava os pratos numa bancada/ mini-cozinha à vista, tava com um jeito muito mal-humorado. Nitidamente, tava rolando um climão entre a equipe. Coincidência o restaurante estar vazio? Sei lá…

Pra completar, não gostamos das comidas. Olha só:

Salsas - molhinhos de pimenta

Salsas mexicanas – molhinhos de pimenta

Couvert - pãezinhos

Couvert – pãezinhos pra comer com as salsas

Esse couvert tava muito sem gracinha. As salsas tavam boas, mas os pãezinhos…

Quesadilla de flor en el comal

Quesadilla de flor en el comal

De entrada, quesadillas de flor de abóbora!
Outra descoberta: no México, quesadilla não é necessariamente de queijo! Já foi, mas agora é um nome genérico. Trata-se de uma tortilla de milho, recheada de qualquer coisa, levemente durinha e preparado numa chapa quente de ferro.

Cecina de puerco en verde

Costilla de puerco en verde

Costela de porco com molho de pimenta verde e feijão fresco.

Pescado del día con cuitlacoche e infusión de crema al azafrán

Pescado del día con cuitlacoche e infusión de crema al azafrán

Peixe do dia com molho de açafrão e CUITLACOCHE!
Gente, cuitlacoche ou huitlacoche é um negócio super exótico! Trata-se do fungo que cresce na espiga do milho. Aqui no Brasil e em muitos lugares é considerado uma praga, mas lá no México é iguaria! O gosto? Não dá pra definir…é de cuitlacoche! rss..

O problema é que o molho estava tão apimentado e condimentado que não dava para sentir o gosto do peixe. O Cabeça nem conseguiu comer tudo e olha que somos chegamos numa pimentinha…

Natilla a la vainilla de Papantla con teja y trufas de chocolate

Natilla a la vainilla de Papantla con teja y trufas de chocolate

De sobremesa, pedimos um pudim de baunilha de Papantla com chocolate e trufas. Bom, mas nada excepcional.

Vale a visita? Não achamos…

Izote por Patricia Quintana
Presidente Masaryk 513
Colonia Polanco – Cidade do México
Tel: 5280-1671 / 5280-1265