Arquivo

Archive for Junho, 2012

Mini Flashback Gastronômico – Suri Ceviche Bar

Faz muito tempo que tiramos fotos de comidas (bem antes de termos o blog)…só não sabíamos direito o que fazer com elas!

Pensando neste material todo que temos guardado, agora vamos publicar uma série chamada “Mini Flashback Gastronômico”. A verdade é que a gente não lembra mais dos detalhes, mas tem uma leve lembrança se gostou ou não. Sem contar que as fotos são bem bonitas!

Pra começar, vamos de Suri Ceviche Bar.

O que me lembro bem: fomos jantar durante a semana, era um dia frio!

Como é pra ser um flashback MINI, vamos logo às fotos:

Drink misterioso - só lembro que não gostei

Drink misterioso – só lembro que não gostei

Entrada: Bocaditos del Sur - pasteis de frutos do mar, bolinhos de carne de porco, empanadas de polvo

Entrada: Bocaditos del Sur – pastéis de frutos do mar, bolinhos de carne de porco e empanadas de polvo

Ceviche Clássico: corvina, com cebola roxa, coentro e milho com batata doce

Ceviche Clássico: corvina, cebola roxa, coentro e milho com batata doce

Corvina caribenha: corvina grelhada com molho de morrones, arroz de coco e patacón

Corvina caribenha: corvina grelhada com molho de morrones (pimentões), arroz de coco e patacones (banana verde empanada e frita)

Lembranças finais:

– gostamos muito mais ou menos;

– foi caro;

– o lugar era bem agradável.

Suri Ceviche Bar
R. Mateus Grou, 488 – Pinheiros 
Tel: 11 3034-1763

Anúncios

Gostosuras e travessuras – o melhor pão de queijo de Belo Horizonte é do Verdemar

23/06/2012 1 comentário

– O taxista do aeroporto pro hotel;
– a recepcionista do hotel;
– o taxista do hotel pro trabalho;
– muuuitas pessoas do escritório;
– a Veja Comer e Beber 2011.

E, por unanimidade, fui lá verificar o tal do melhor pão de queijo de Belo Horizonte no Verdemar!

Pra mim, não estava claro, cada um disse uma coisa: o Verdemar é tipo um restaurante, o Verdemar é pizzaria, o Verdemar é supermercado, o Verdemar é um empório, o Verdemar é uma padaria chic…

Seja lá o que for o Verdemar, o fato é que este estabelecimento é dono do tão afamado “melhor pão de queijo de Belo Horizonte”. Com várias unidades espalhadas pela cidade, sendo que a mais famosa é a da Avenida Nossa Senhora do Carmo, 1900, escolhi a Verdemar do shopis Diamond Mall.

Vejam só:

Verdemar - padaria, empório, pizzaria, supermercado, x-tudo!

Verdemar – padaria, empório, pizzaria, supermercado, x-tudo!

 

Vitrine do "Melhor pão de queijo de Belo Horizonte" - yammy!

Vitrine do “Melhor pão de queijo de Belo Horizonte” – yammy!

 

Ô trem bão!

Ô trem bão!

O lugar é bonitinho. Mas o esquema de atendimento é meio estranho. Pedi pra viagem, recebi o embrulhinho e fiquei esperando pela Coca Cola básica. Desconfiada da demora, perguntei e fiquei surpresa quando me informaram que as bebidas precisavam ser retiradas do outro lado do restaurante/ padaria/ pizzaria/ empório! Tipo, atravessei o salão pra pegar a Coca no balcão das pizzas!

Bem, achei bizarro, mas passa! Ah, o preço é bem justo, ele é grande e custa baratinho, cerca de R$3,00.

Indo a BH, vale a parada!

Empório Verdemar
Av. Nossa Senhora do Carmo, 1900
Belo Horizonte – Minas Gerais
31 3286-6349

ps. Não deixem de comer o pão de queijo do Lá da Venda aqui em SP e fazer a comparação!

 

Categorias:Belo Horizonte, Mineiros

Feira da Kantuta – a Bolívia está logo ali no Pari!

ADOREI!

Adorei tudo na Feira da Kantuta!
(exceto os milhares de guardadores de carro logo na chegada da feira, odeio flanelinhas!)

Faz muito tempo que queria ir nessa feira, mas a preguiça de acordar antes do meio-dia num domingo me impedia fortemente! Até que num dia de muita coragem e desprendimento, consegui arrastar o Cabeça nesta empreitada e lá fomos nós em direção ao bairro do Pari, zona norte de SP.

A chegada foi meio estranha, confesso! Além dos guardadores de carro correndo na nossa direção como se fossem fazer um arrastão, logo percebi que éramos os únicos ‘turistas’ brasileiros (ou nipo-brasileiros, como preferir) a circular pela região. Sempre digo pro Cabeça que a gente tem cara de turista em qualquer lugar, mas ali naquele dia foi incrível! Só tinha boliviano e…a gente! (o que é bom sinal, afinal, seria suspeitíssimo uma feira boliviana cheia de chinês, sei lá!).

A feira da Kantuta acontece na Praça Kantuta, e a praça meio que fecha pra passagem de carros e vira um grande espaço fechado a céu aberto. Só por isso, já tava achando uma delícia, afinal, eu tô acostumada com uma São Paulo caótica, de muito trânsito, de movimento e buzinas o tempo todo. E, a praça, mesmo ficando pertinho da Avenida do Estado e da Marginal Tietê, se isola num clima muito agradável, calmo, com cara de bairro, de cidade do interior.

Ao redor da praça ficam as barraquinhas de comes, bebes e artigos de várias partes da América Latina. No centro da Praça, um alto-falante, música típica boliviana de fundo, com alternância de danças, cantos e até proclames em espanhol. Tudo pra você entrar no clima total!

Neste passeio, tínhamos dois objetivos: almoçar alguma coisa típica boliviana e tentar encontrar Inca Cola (aquele refri peruano que eu tanto falo neste blog!).

Pra vcs terem uma idéia, olha o esquema das barraquinhas:

Feira da kantuta_barraca

Feira da kantuta_barraca

Bem começamos a dar a volta na Praça quando meu radar estomacal começou a apitar! Olha só o que tavam vendendo:

Chichas!

Chichas!

Vejam bem a lista:

– Zuco de linaza: eu perguntei pro oráculo (google) o que era exatamente essa palavra “zuco”, mas não encontrei nenhuma resposta consistente, sendo assim, me sinto na liberdade de teorizar que é “suco” mesmo, só que escrito com sotaque espanhol, uma vez que o “Z” em espanhol pode ser lido com som de “s”. Linaza é linhaça mesmo. Ou seja: suco de linhaça! Ó que máximo!

– Fresco de mocochinche, fresco de manzana y piña:  essa palavra ‘fresco’ quer dizer fresco mesmo, ou seja, é pra deixar claro que são sucos ‘naturais’ digamos. Manzana y piña quer dizer maçã e a abacaxi, olha que legal a mistura! Agora mocochinche…que engraçado a moça tentando me explicar, ou melhor dizendo, que engraçado eu tentando entender. Tive que sacar o celular e procurar na internet pra confirmar se eu tinha entendido certo! (e num tinha). Mocochinche é uma bebida feita à base de pêssego desidratado…parece bastante aquela calda melosa do pêssego em calda, sabem?

– Chichas de quinua e de maní: amo! Amo a idéia de chicha, que usualmente, são bebidas fermentadas feitas a base de alguma planta ou semente que a gente nem cogita que dá pra fazer. A exemplo destas: chicha de quinoa e chicha de amendoim!

Depois de encher a moça de perguntas em bom portunhol, decidimos pela chicha de amendoim:

Chicha de maní (suco de amendoim)

Chicha de maní (suco de amendoim)

Atravessando a pracinha, demos de cara com a barraca de Doña Vicky, uma das mais disputadas:

Barraca Doña Vicky

Barraca Doña Vicky

E foi lá que almoçamos! Olha só as opções:

Menu da Doña Vicky

Menu da Doña Vicky

Na dúvida, olhamos pras mesas ao redor e pedimos igual ao da maioria: Lechón al horno, pero con milho boliviano e batata.

Vejam que escândalo:

Lechón al horno con batata y milho boliviano

Lechón al horno con batata y milho boliviano

Não se deixe levar pelas aparências! Tá com uma cara meio estranha, mas tava uma dilícia! Difícil é comer com talher de plástico! Mas, a Dona Vicky é tão simpática que nos ofereceu um talher de metal quando viu a nossa falta de habilidade, he, he… Mas, no final das contas, acabamos comendo com a mão mesmo…e chupando os dedos! Os ingredientes em si não tem nada de mais. Carne de porco, batata bolinha e um milho grande. Agora, os temperinhos e as pimentinhas…UAU!

Pra beber, pedimos o suco de mocochinche! Aquele de pêssego desidratado, que na versão da D. Vicky vem com canela.

Continuando o tour pela Feira da Kantuta, encontramos Don Carlos e sua barraca de saltenhas com caldinho…sim, eu disse, com caldinho! A gente já tinha comido muito na barraca da D. Vicky, mas a curiosidade, assim como a propaganda, bateu forte!

Vejam só:

saltenhas de Don Carlos

saltenhas de Don Carlos

Pedimos uma de carne e outra de pernil. Olha o caldinho:

Saltenha do Don Carlos - pimentinha show de bola!

Saltenha do Don Carlos – pimentinha show de bola!

Saltenha do Don Carlos - olha que bonita!

Saltenha do Don Carlos – olha que bonita!

Saltenha do Don Carlos - olha o caldinho!

Saltenha do Don Carlos – olha o caldinho!

Esse negócio é bom mesmo! Até ficamos com vontade de levar uma meia dúzia pra viagem!

E assim acabou nossa excursão pela Bolívia, digo, pela Feira da Kantuta! Ah, só pra reforçar: vale super a pena visitar a Feira, especialmente pra quem tá estudando espanhol! A maior parte dos comerciantes fala quase nada de português, mas são extremamente simpáticos. 🙂

Feira da Kantuta
Praça Kantuta – Pari
A partir das 11h.
Perto do Metrô Armênia

ps. Achei Inca Cola numa barraquinha, R$6 a garrafinha de 600ml!!!!

Jantando no Carlota de Carla Pernambuco

13/06/2012 1 comentário

Este post tá um pouco atrasado, é verdade! Esse jantar rolou já faz uns bons meses e a memória gustativa talvez já não seja assim tão fiel…mas, não dava pra não deixar a nossa ida lá sem registro aqui!

Ah, reparem que muitas fotos ficaram escuras e meio feinhas. É que o Carlota tem um ambiente aconchegante, mas meia-luz. Então, pra não incomodar as demais pessoas com os constantes flashes, por vezes, abrimos mão da qualidade da foto (depois desta, compramos uma mini-lanterninha estratégica!).

Vamos direto às fotos, pq são muitas:

Couvert 1 - espeto de pãezinhos, azeite com balsâmico reduzido e um creminho (tipo sour cream)

Couvert 1 – espeto de pãezinhos, azeite com balsâmico reduzido e um creminho (tipo sour cream)

Couvert 2 - balde de pãezinhos

Couvert 2 – balde charmoso  de pãezinhos

Rolou até um vinhozinho pra começar a brincadeira:

Chianti 2008

Chianti 2008

Detalhe: neste dia, estávamos num grupinho, então temos registros de vários pratos. Como eram todos “brothers”, garfei do prato de todo mundo! (Finesseeee pura!)

Filet mignon com crosta crocante, molho blue cheese e gateau de batatas

Filet mignon com crosta crocante, molho blue cheese e gateau de batatas

Ravioli de queijo gruyére com picadinho de mingnon e cogumelos paris

Ravioli de queijo gruyére com picadinho de mingnon e cogumelos paris

Filet mingnon, molho de vinho do porto e balsâmico com risoto de figo

Filet mignon, molho de vinho do porto e balsâmico com risoto de figo

Meu favorito: filé de robalo grelhado com purê de banana-da-terra e sautée de aspargos frescos

Meu favorito: filé de robalo grelhado com purê de banana-da-terra e sautée de aspargos frescos

Paleta de vitela marinada lentamente assada, batata röesti, molho de vinho marsala flambado

Paleta de vitela marinada lentamente assada, batata röesti, molho de vinho marsala flambado

A verdade é que eu adorei todos os pratos! Mas o que mais gostei foi o purê de banana-da-terra! Siiiim! Nem foi o robalo, foi o purê mesmo! Adorei a combinação!

Já era mais de onze da noite quando acabamos os pratos principais….e era dia de semana, todo mundo precisando acordar cedo no dia seguinte! Então, tomamos uma sábia decisão…depois dessa comilança toda, nada melhor que uma sobremesinha pra ajudar na digestão!!! He, he…

He...

He, he…

Flan de carambola

Flan de carambola

Essa sobremesa de carambola foi exceção: tava bem sem gracinha!

Carlota Pernambucana: bolinho quente e cremoso de banana com gelado de canela

Carlota Pernambucana: bolinho quente e cremoso de banana com gelado de canela

ADOREI a CARLOTA PERNAMBUCANA!!! Super suave, doce na medida, combinação perfeita!

Mesmo com esse montão de talheres que surgiu na nossa frente, pedimos apenas 2 sobremesinhas mesmo! Embora estivesse tudo super gostoso, ninguém conseguia mais comer! Todo mundo já tava naquele clima de fim de jantar e a garfação e a colheração rolou solta!!!

Impressão geral: o ambiente é bem agradável, o atendimento é atencioso até demais (prefiriria que fosse menos, mas ok!), os pratos são lindos e bem gostosos. Agora, os preços são altos. Os pratos acima tão na faixa dos R$55. As sobremesas não me lembro, desculpem!  Somando o couvert, um drink, um vinho e tal…deu cerca de R$150 por pessoa.

Vale? Vale!

Carlota – por Carla Pernambuco
Rua Sergipe, 753 – Higienópolis
Tel: 11 3661 8670

Bar do Biu – pra se esbaldar no Baião de Dois

06/06/2012 1 comentário

Eu morava sozinha nesta época. Não tinha nenhuma pressa de voltar pra casa e tinha dias que queria fazer amizade com o mundo inteiro! (olha a carência aí, gente!)

Um dia, passando de ônibus pela R. Cardeal Arcoverde, 772, reparei num boteco de esquina cheio de senhorzinhos alcoolizados ao redor de um balcão cuja assepsia era extremamente suspeita para um ambiente onde se manipulava comes e bebes (acordei sutil! Há, há).

Dias depois, passando pela mesma rua, congestionamento monstro de sempre, resolvi descer do ônibus e puxar papo com a tchurma! Confesso, sempre tive uma queda por ambientes seletos com público igualmente diferenciado!

Pra minha surpresa, aquele cenário, na verdade, era apenas uma forma de despistar os não-preparados estomacalmente de uma das grandes maravilhas gastronômicas de SP! rsrs.

Atrás da farândola (ui!), se revelou um super restaurante nordestino, porreta de bom!

Indo ao que importa, o boteco revelação da minha vida é o BAR do BIU! Que, muito felizmente, desde aquela primeira descida do ônibus, vi virar hit! É, galera, mas não se deixe levar por uma primeira impressão, o BIU, ainda hoje, cultiva suas raízes. Ou seja, virou hit entre os moderninhos de Pinheiros e região, ávidos pela culinária nordestina, mas também se manteve fiel ao público de senhorzinhos. Nos finais de semana, é até engraçado observar a integração entre aquela mocinha de óculos grandes, o menino da camisa xadrez e o senhorzinho de camiseta regata e correntona. Todos já meio embriagados de fome e de caninha!

Vale também dizer que agora as mesas do BIU são disputadíssímas nos almoços de sábado, principalmente. Mas que dá pra fazer reserva ou ainda, pedir pra viagem. A gente por exemplo, evita o rush boêmio e vai só pelas 4 da tarde.

O bar é do BIU, mas as figuras-chave são a Dona Edi, a cozinheira, e também o Rogério, o hostess multiuso. Ele recebe a galera, organiza a espera, conduz pra mesa, pega o pedido, cobra, discute futebol e tá sempre usando camisas de basquete! (num sei o que quero dizer com isso da camisa, mas achei que valia a informação).

Ah, se você for durante a semana ou num horário bem calminho, peça pro Rogério te sugerir um suco surpresa. Ele faz umas combinações muito loucas, mas sempre muito boas!

Hora da salivação:

Baião de um
Baião de um

Gente, o prato é tão bem servido que a gente pede o Baião de um, ao invés de Baião de dois, que daria pra uns três! Entenderam a conta?

Ah, pra quem não é iniciado, Baião de Dois é: arroz, feijão de corda, carne seca desfiada, lingüiça, bacon e queijo coalho tudo misturado. Vem acompanhado de uns pedações de mandioca (ou macaxeira) e abóbora (conhecido também como jerimum). Aí você acrescenta farinha de mandioca, manteiga de garrafa e uma pimentinha-cabra-macho (ou seria quebra-macho?)!

Agora em destaque:

Baião de Dois do BIU
Baião de Dois do BIU

Já comi de tudo que tem no cardápio ao longo destes anos. Mas, infelizmente, não tirei foto de tudo. A única coisa que a gente não curte muito lá é a feijoada. Ela não é ruim, mas…o negócio lá é comer pratos com carne de sol, claro!

A exemplo da Vaquejada, altamente recomendada:

Vaquejada
Vaquejada: carne de sol fatiada, acebolada, com pedaços de queijo coalho. Acompanhada de farofa de abóbora, arroz, feijão e salada

Outra coisa massa: no BIU dá pra pedir jarra de suco por um preço muito honesto:

Jarra de suco de limão - nosso preferido
Jarra de suco de limão – preferido do nosso fígado

Pra acabar a refeição feliz, não deixe de pedir o pudim de leite! É muito bom!

Pudim de leite - imperdível
Pudim de leite – imperdível

Uma fotinho de parte do cardápio pra vocês saberem os preços e outras boas opções:

Cardápio de gostosuras do BIU
Cardápio de gostosuras do BIU

Bar do BIU
R. Cardeal Arcoverde, 772 (quase na Benedito Calixto) – Pinheiros
tel.: 11 3081 6739